#BrindaBrasil

Translate

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O prato predileto de Mandela

O Mundial de Futebol da África do Sul está chegando ao fim. Mas como eu previ mais cedo, a Zebra berrou e Espanha e Holanda vão revelar ao mundo um novo campeão de futebol, será o oitavo da história. Ao longo do campeonato eu falei da comida típica de vários países, todos que enfrentaram o Brasil. Hoje, no Giro Gastronômico que apresento às quartas e sextas na Rádio Band News Brasília, 90,5 FM, ao lado da Michelle Mattos, foquei na comida da anfitriã.

Existe uma comida na África, o caril (foto), que é consumida em todo o continente. É um prato típico africano, um guisado de vegetais que geralmente é reforçado com pescados, carne seca ou frango. Mas é uma sopa basicamente de legumes e vegetais mesmo. Em algumas regiões, eles usam também amendoim moído e feijão.
Os países costeiros consomem mais o peixe e no interior da África a carne de galinha é mais usada nas refeições. Principalmente se for domingo, dia de festa ou casamento.
Mas os sul africanos gostam muito de cozinhar com temperos exóticos e vários pratos deles são feitos com curry. Frutos do mar, carnes de caça, frutas e legumes são personagens principais da culinária mediana na África do Sul.
O país foi um ponto estratégico na rota dos Grandes Descobrimentos e na rota marítima para as índias. Por causa disso, eles sofreram influências de vários povos. Do português ao Inglês, passando pelos holandeses, franceses... E isso fez com que os sul africanos assimilassem muito da cultura dos colonizadores. Daí uma dificuldade grande de se dizer qual é o prato típico de lá. Até os árabes influenciaram a cozinha sul africana. Mas vale atentar para os pratos mais exóticos deles. Os nativos tem um gosto diferente, que inclui até grilos fritos na comida.

Mas eles também consomem carnes vermelhas e são responsáveis pelo cultivo mundial do gado Bonsmara (foto), um animal híbrido que surgiu nos anos 1930, a pedido do governo sul africano. A encomenda feita a engenheiros genéticos ingleses resultu na cria entre o gado afrikanner (bem resistente) e os escoceses angus e hareford. O resultado é uma das mais saborosas carnes bovinas que existem e que hoje é encontrada nos melhores restaurantes brasileiros. O precursor desse tipo de gado no Brasil é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que iniciou uma criação de bonsmara no início dos anos 1980, numa fazenda na região de Presidente Prudente, em São Paulo.
Na minha opinião, o prato que simboliza melhor toda essa mistura da cozinha sul africana é o Bobotie (foto lá de cima), um tipo de cozido de carne moída, pão, leite, cebola, castanhas, passas, damascos e curry. Esse também é o prato predileto do ex-presidente e libetador do Apartheid, Nelson Mandela.

Tem um aspecto curioso da gastronomia sul africana que se assemelha à tradição espanhola da paella. Normalmente, as mulheres se encaregam do doces e as carnes são exclusividade dos homens. Eles tem até um evento chamado de Braai, que seria um almoço como o nosso churrasco, onde as carnes são grelhadas e só homens cuidam da comida. Na tradição da paella também é assim, os homens cozinham para as mulheres.
O doce típico é o Koeksisters (foto acima) e tem origem indígena. Ele é feito com açúcar, água, gengibre e canela.

Bebida tradicional é licor de amarula
Ao contrário do que todo mundo imagina e que vem sendo muito divulgado por causa da Copa do Mundo, a bebida típica da África do Sul não é o vinho pinotage e sim o licor de amarula.
A fruta da África meridional é a marula, que é uma variedade de noz. A árvore da marula é uma árvore típica das savanas e muito encontrada na África do Sul.
O licor de amarula produzido a partir da fruta é uma bebida africana exportada para o mundo inteiro, mais que os vinhos deles, que são ótimos.

Pinotage é a uva símbolo
No caso dos vinhos, o Pinotage é que podemos chamar de natural (ou autóctone) da África do Sul. Essa uva é híbrida, uma combinação da Pinot Noir com a Cinsaut (também chamada de Hermitage) e foi criada em 1925.
É possível encontrar nos supermercados o vinho tinto Pinotage chamado Obikwa, que é um vinho mais barato e muito bom. Esse vinho é produzido na região de Stellenbosch. Essa região é a maior produtora de vinhos da África do Sul, fica a 50 km da Cidade do Cabo e é a segunda colônia européia mais antiga na África do Sul.
O Obikwa Pinotage é envelhecido em barris de carvalho francês por 3 meses e suas uvas foram colhidas manualmente. É um vinho jovem, com 13% de álcool, para consumo imediato. Revela aromas de frutas silvestres maduras. Não é um vinho de taninos fortes, que trave a boca, apesar de sua pouca idade. A melhor harmonização é com pato, carne de caça, carnes vermelhas com pouca gordura e molhos condimentados, à base de curry. Custa na faixa de R$ 25, mas por causa da Copa do Mundo, já vi até por R$ 40, o que é um roubo.

FAÇA EM CASA:
Bobotie
(serve 6 pessoas)

Ingredientes:
- 1 kg de carne de pato moída
- 1 fatia de pão
- 1 xícara das e chá de leite de coco
- 1 cebola grande
- 12 amêndoas descascadas e picadas
- 2 colheres das de sopa de óleo
- 1 colher das de sopa de curry
- 1 colher das de chá de colorau amarelo
- 75g de uva passa
- 10 damascos secos
- 4 colheres das de sopa de limão
- 6 folhas de louro
- Sal a gosto

Modo de preparo:
Corte o pão em pedaços e ponha numa tigela. Cubra com meia xícara de leite e deixe de molho por alguns minutos. Amasse o pão levemente com um garfo. Depois, aqueça o óleo numa frigideira, em fogo brando. Frite as cebolas picadas em fatias finas durante 5 minutos. Retire do fogo. Sepere os ovos e o leite. Misture todos os outros ingredientes numa forma pressionando sobre as folhas de louro. Bata os ovos com o leite de coco reservado. Agora tempere com sal e pimenta e despeje o líquido sobre a mistura de carne. Leve ao forno à 180 graus por 45 minutos. Verifique o ponto dos ovos, se o leite se incorporou à massa e se a carne está cozida. Decore com folhas de louro sobre a carne. Sirva com arroz branco.

Koeksisters
(faz 40 bolinhos)

Ingredientes da massa:
- 4 xícaras de farinha de trigo
- 1 colher de chá de sal fino
- 4 colheres de chá de fermento para bolos
- 3 colheres de sopa de margarina
- 2 ovos
- 1 xícara de água ou creme de leite

Ingredientes do caldo de açúcar:
- 4 xícaras de açúcar
- 5 1/2 xícaras de água
- 1/2 colher de gengibre em pó
- 2 paus de canela em pó

Modo de preparo:
Para fazer a massa, peneire os ingredientes secos e esfarele a gordura com as mãos. Bata os ovos, junte o leite e misture a farinha, sempre mexendo. Ponha a massa em mesa de pedra ou granito e corte tiras com 1 cm de grossura e aproximadamente 6 cm de comprimento. Trance as tiras e frite em óleo quente até dourar. Retire e escorra a gordura. Depois mergulhe no caldo frio por alguns segundos. Para fazer o caldo de açúcar, dissolva o açúcar na água, junte o gengibre e os paus de canela. Ferva por aproximadamente 10 minutos. Esfrie. E cubra os bolinhos.

Um comentário:

  1. Sou Sul-Africano e adoro os Koeksisters, como sinto falta de alguns produtos sul-africanos a venda.
    Por acaso alguem saberia me dizer se em São Paulo tem algum lugar que venda produtos sul-africanos para o consumidor?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...